quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Portugal ocupa o 18º lugar no Índice de Desempenho Ambiental 2008

O trabalho feito na área do clima, poluição do ar, água, recursos naturais e qualidade ambiental valeu a Portugal o 18º lugar no Índice de Desempenho Ambiental 2008, elaborado por uma equipa das universidades de Yale e Columbia, apresentado ontem no Fórum Económico Mundial em Davos, Suíça.

A lista de 149 países é liderada pela Suíça (com 95,5 por cento), logo seguida da Noruega, Suécia e Finlândia. Os últimos são o Níger (com 39,1 por cento), na 149ª posição, Angola e Serra Leoa.
À frente de Portugal (com 85,8 por cento) estão ainda a Costa Rica, a Áustria, Nova Zelândia, Letónia, Colômbia, França, Islândia, Canadá, Alemanha, Reino Unido, Eslovénia, Lituânia e Eslováquia. Espanha surge na 30ª posição, os Estados Unidos na 39ª e a China na 105ª.

Este índice avalia o desempenho ambiental com base em 25 indicadores, distribuídos por seis categorias de políticas: saúde ambiental, poluição do ar, recursos hídricos, biodiversidade e habitat, recursos naturais e alterações climáticas.

Das seis categorias, Portugal tem o pior desempenho na área da biodiversidade e habitat, ficando abaixo da média. Na verdade, os piores resultados surgem no indicador de áreas marinhas protegidas e conservação efectiva da natureza.

Portugal posiciona-se acima da média europeia em cinco das seis categorias: qualidade ambiental, poluição do ar, água, recursos naturais e alterações climáticas. Os indicadores onde o país conseguiu os melhores resultados passam pelo saneamento básico, água potável, emissões per capita e protecção de habitats críticos.


A classificação dos Estados Unidos, no 39º lugar, foi muito influenciada pelo seu fraco desempenho em matéria de gases com efeito de estufa e no impacto da poluição do ar nos ecossistemas. “O desempenho dos Estados Unidos mostra que a próxima administração não deve ignorar os impactos ambientais nos ecossistemas, bem como na política agrícola, energética e gestão da água”, comentou Gus Speth, da Universidade de Yale.

A análise das posições sugere que “a riqueza é um factor determinante do êxito ambiental”, segundo um comunicado da universidade de Yale.

“Os países com melhores resultados (...) adoptaram políticas públicas para mitigar os danos provocados pela actividade económica”. Já os “países com piores classificações, não realizaram as mudanças necessárias na saúde pública ambiental e têm fracos regimes de política pública”.

“Cada país tem algo a aprender com o Índice de Desempenho Ambiental. Mesmo os países com melhores posições têm áreas nas quais o seu desempenho não é óptimo”, comentou Daniel C. Esty, director do Centro de Legislação e Política Ambiental da Universidade de Yale e professor de Legislação e Política Ambiental.

Devido à falta de dados, 89 países ficaram de fora desta lista.

Fonte: Público

Jorge Mateus
(Secretário)

2 comentários:

Pedro Abrantes disse...

Esta foi uma notícia 5*****, à semelhança do que tem sido publicado neste Blog.

18º - À primeira vista é um excelente resultado, visto no total estarem envolvidos 149 países.

Mas se analisarmos bem quem ficou à frente do nosso país, facilmente tropeçamos na Colômbia, como é possível? Deve ser pelos milhares de hectares de “espaços verdes” (plantações de Marijuana e afins) que eles têm espalhados pelo seu verdejante país que torna o ar “mais puro”.
A Islândia é outro caso que me deixa intrigado, primeiro não mora lá quase ninguém; segundo é um país gelado, ou seja, não poluem nada de especial, a não ser em produção de energia eléctrica para se aquecerem, mas enfim, segundo o estudo parece que trabalham para melhorar o Ambiente, logo é positivo.

Reparam que o país que venceu (ficou em 1º lugar), é o país onde foi apresentado aquele trabalho?!? Com quase 150 países envolvidos, uma grande coincidência…

No estudo diz: “A análise das posições sugere que “a riqueza é um factor determinante do êxito ambiental”, segundo um comunicado da universidade de Yale.”
Sim até pode ser verdade, mas para criar riqueza foi preciso poluir muito mais, e será que esta riqueza ou o que se está disposto a investir para proteger o Ambiente compensa TODOS os danos causados? Será que ainda se consegue recuperar o que foi destruído? Sinceramente…. não me parece.

Diz também: “Devido à falta de dados, 89 países ficaram de fora desta lista.”
Pela minha opinião, todos os países deveriam ter a obrigação de fornecer todos os dados necessários para a realização de relatórios, ou trabalhos nestas áreas. Visto serem questões que afectam o Mundo em que vivemos, à escala Global.

Conclusão: Até parece que Portugal está no bom caminho, à excepção daquela parte que diz que “riqueza = êxito ambiental” aí é que devemos estar a ver mal, muito mal esta questão!

NaDa.. disse...

Fiquei algo surpreendido, pela positiva, com o desempenho de Portugal neste estudo, no entanto, não queria deixar de assinalar dois pontos.

Em primeiro lugar, "Das seis categorias, Portugal tem o pior desempenho na área da biodiversidade e habitat, ficando abaixo da média. Na verdade, os piores resultados surgem no indicador de áreas marinhas protegidas e conservação efectiva da natureza."


Em segundo lugar, fiquei surpreendido pela negativa, ao ver os EUA em 39º lugar.. Esperava que tivessem posicionados mais em baixo. Mas por outro lado parece que a aposta deles em "despoluir" num lado e "poluir" noutro, conseguiu de alguma forma, dar a volta a este estudo e posicioná-los numa posição algo favorável.


Quanto ao comment do Pedro tenho a dizer que o estudo foi apresentado na Suiça, mas não foi realizado por Suiços. Não sei se isso terá sido mesmo um factor determinante para onfluenciar a escolha do 1º lugar, mas penso que não, pq os países do norte da Europa e a Suiça, apresentam grandes preocupações em relação ao Ambiente.


"Diz também: “Devido à falta de dados, 89 países ficaram de fora desta lista.”
Pela minha opinião, todos os países deveriam ter a obrigação de fornecer todos os dados necessários para a realização de relatórios, ou trabalhos nestas áreas. Visto serem questões que afectam o Mundo em que vivemos, à escala Global." by Pedro Abrantes

Estou plenamente de acordo contigo Pedro.


Estou também um pouco surpreendido por não ver a Alemanha entre os primeiros lugares. Tinha ideia que a Merckl tem feito grandes esforços para colocar a Alemanha entre os melhores da Europa emtermos de qualidade e preocupação Ambiental..


Enfim, resumindo e concluindo, fiquei satisfeito com a posição obtida por Portugal, mas vejo alguns factos discordantes nessa lista, passando pelo caso os EUA estar altamente bem cotado e de não ver a Alemanha entre os melhores.